domingo, 17 de janeiro de 2016

Fugi do inferno



Cansada da agressão verbal do meu marido alcoólatra, apanhei alguns pertences e meu lindo filhinho, saí à deriva pelo mundo à procura de um porto seguro para que pudesse criar e educar meu filho no caminho do bem. Arrumei um trabalho como cozinheira numa boa família que não fez nenhuma rejeição contra meu filho, aliás gostavam muito dele, pois sem filhos a criança veio trazer alegria aquele casal.
O tempo passou, meu garoto cresceu, eu arrumei um companheiro e fui viver com ele, mas como a criança foi muito amada pela família, durante o dia ficava com eles e à noite vinha pra casa.
Eles fizeram dele um excelente advogado que soube há tempo que seu pai verdadeiro havia morrido na "praia dos alcoólatras" e a vida continuou...


15 comentários:

  1. Amiga Dorli, triste mas é a realidade de muitas famílias quando há o alcoolismo, triste doença que, somente com a boa vontade deste se consegue a cura, ou pelo menos o controle!
    Muito bom ler por aqui, pois em poucas linhas nos dá a dimensão do drama, no caso foi um final parcialmente feliz!
    Abraços linda amiga, espero que já esteja melhor de suas dores!

    ResponderExcluir
  2. Alcohol the devil, just brings tears, sorrow, etc.
    Hug Crissi

    ResponderExcluir
  3. Bom dia
    Uma leitura de casos da vida. Não podemos nem devemos ligar estas situações com alguém nossos conhecido. Todos temos histórias de vida que fazem parte do nosso = curriculum vitae.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minhas estórias de vida eu não conto, tive alguns contos que dizia não ser ficção, ninguém acreditou, a partir daí tudo que escrevo é ficção.
      Lua Singular

      Excluir
  4. Lindo sempre te ler,Dorli! Voltando aos poucos e desejando tuuuuuuuuuudo de bom! bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Uma história triste como tantas na actualidade.

    Beijo e uma excelente semana

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Uma linda história e que vemos muitas iguais a essa,ainda bem que o término foi de felicidade,princialmente para o jovem Advogado.
    Bjs amiga Dorli e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  7. No siempre se tiene el valor de dejarlo e rehacer la vida, bonito relato.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  8. Alcoolismo é coisa séria. Vejo gente postando piadas e sátiras de bêbados, não acho graça nenhuma. Ainda bem que essa mulher foi forte e no fim o rapaz virou um profissional. bjs

    ResponderExcluir
  9. Que bom que tudo deu certo para ela querida amiga, alcoolismo é sério e muito triste!
    Uma pena as pessoas não perceberem o mal que se fazem e aos outros também, e se tratar!
    Beijos de uma ótima noite!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  10. Com essas condições fugir foi a melhor atitude.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  11. Oi, Dorli, o alcoolismo é um vício tenebroso que começou visto como charme, nas festas, cinemas, sempre alguém com um copinho na mão e um cigarro na boca... E foi indo, destruindo vidas, famílias como até hoje acontece. Tão nocivo quanto outros vícios.
    Sempre temos essas histórias por perto, não precisamos inventar exercitando os neurônios. Que fique como exemplo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente é a história de muitas mulheres, ainda bem que muitos terminam bem como nessa historia. Bjs Dorli.

    ResponderExcluir
  13. Para grandes males, grandes remédios, como diz o nosso povo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Qualquer vício que "prende", sempre dá neste (ou noutro) sentido, uma incontrolável falta de carácter (pois é disso que se trata).
    É sempre lamentável "saber-se" (mesmo que ficcionado) de situações que afrontam os deveres para com os mais próximos.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir