terça-feira, 22 de março de 2016

Morte-ficção



Quando eu morrer não chore, estarei bem, pois nunca fiz mal a ninguém, mas gostaria de ficar perto da lua torcendo aos meus poucos amigos para que tenham uma vida saudável na Terra.
Sempre tive sucesso em tudo que fiz, mas a inveja veio de uma forma atroz, chegou atropelando minha vida e num tempo atrás eu chorei. Espetaram quatro espadas no meu coração, mas como ele é forte aguentou...Agora ele está fraquinho e quer dormir