quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Haicas: o oceano em fúria




A fúria das ondas do oceano
Acordou-nos rápidos
A lua chorava a sofreguidão

Oceano parecia nos abarcar
Lágrimas golfavam
Nosso peito  a palpitar forte

Navio balançou muito forte
Caímos no convés
Lua sumiu, calmaria chegou

Obrigada Iemanjá, nossa rainha
Cuide sempre de seus filhos
Simples navegantes dos oceanos

 

7 comentários:

  1. Um belo poema minha amiga e fiquei a imaginar o que não passaram os navegadores antigamente, verdadeiras tormentas.
    Um abraço e bom fim-de-semana.
    Andarilhar

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito.

    Beijo, bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. O mar é cheio de contradições, tanto pode beijar-lhe os pés como um amante encantado em noite de lua cheia, como pode arrastá-la impiedoso até lhe provocar a mais angustiosa das mortes.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  4. A fúria das ondas do oceano
    Acordou-nos rápidos
    A lua chorava a sofreguidão

    Gostei, Dorli! Fico a imaginar eu e meu medo de mar...
    beijo.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite querida amiga.
    Estar em frente ao mar e dele extrair as mais belas inspirações.
    Sou um amante desta onda que se eleva e beija a pedra e trás este frescor que nos arrefece as saudades.
    Abraços de paz e luz.
    Bjs

    ResponderExcluir