quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Poetizando na chuva


chuva

Esfriou o meu corpo já em brasa
Você não veio ao nosso encontro
Mas a chuva revela que você é nada
Apenas uma mulher sem piedade e dó

Meu corpo tremula a água da chuva
Se cá estivesse nós a esquentaríamos
E num afoito louco de beijos e abraços
O calor dos nossos corpos ria a chuva 

Mas você não veio choro o teu desamor
Sento na poça d'água e começo a chorar
Nisso duas mãos me abraçam o meu colo

Coloquei minhas mãos nas suas de amor
Aqueci-a com  abraços, beijei com fervor 
Corpos em brasas do amor, parou a chuva

6 comentários:

  1. Não abandone esse blog tão lindo.
    Bjs Dorli.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. A chuva traz energias e assim nos inspiramos para poetizar.
    Bjs amiga Dorli.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o poema!

    Beijo e tudo de bom para si.

    ResponderExcluir
  4. Não há chuva nem frio que arrefeçam o amor.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela visita amiga Dorli.
    Até a volta se Deus assim me permitir.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  6. O amor faz evaporar todas as contrariedades...
    Magnífico soneto, gostei imenso.
    Boa semana, querida amiga Dorli.
    Beijo.

    ResponderExcluir